terça-feira, 15 de abril de 2014

Desconstruindo #9 - Causos sobrenaturais


Galera, no ar mais um Descontruindo. Um programa ASSOMBROSO. Desta vez eu, o Thiago Cabello e os convidados Andrés Ramos, Tiago Rex e Rafael Pinho conversamos sobre as nossas experiências sobrenaturais.

Isso mesmo, meus caros. Um cast recheado de histórias supostamente verdadeiras e bizarras, que podem acontecer com qualquer um. NÃO escutem à noite e nem em lugares isolados pois este áudio pode gerar fenômenos incomuns e despertar algumas forças além-túmulo! Ouçam ao meio-dia no busão, onde o tecido da realidade é espesso.

Não deixem de participar, descrevendo os seus próprios causos nos comentários abaixo, ou simplesmente dizendo o que achou desse papo.

Parabéns aos corajosos e boa sorte aos cagões ;)

» Baixe aqui o programa (clique com o botão direito e aperte "Salvar Link Como")

LINKS COMENTADOS NO PROGRAMA

» Linha Direta sobre o caso do edifício Joelma
» Verbete do folclórico do Papa Figo - wiki.pt
» Shadow People (ou Shadow Person) - wiki.en
» James Randi desmascara charlatão bisonho
» Entenda mais sobre a tábua de Ouija - wiki.pt

OUTROS LINKS

» Assine o Desconstruindo no iTunes
» Escute os programas anteriores

54 comentários:

Alexandre Gomes disse...

Fantástico! Tema muito instigante. Ouvirei e depois voltarei aqui para comentar! Abraços!!

J. Renan disse...

Trabalho na Câmara Municipal de SP, no centro de SP, ao lado do edifício Joelma. No dia do incêndio o heliponto da câmara funcionou como uma base para os helicópteros que levavam as pessoas pros hospitais da região: a pessoa chegava de um helicoptero dos bombeiros vindo do Joelma e era levada pro hospital por outro helicóptero.

Então várias pessoas próximas da morte vinham pro terraço da Câmara e muitas dessas acabaram falecendo antes de conseguirem ir pro hospital ou mesmo embarcarem no segundo helicoptero.

Os guardas que trabalham na câmara evitam fazer a ronda noturna no último andar, sempre há relatos de choros, gritos e lamentos, que dizem vir das almas penadas do Joelma!

Eu não acredito, mas prefiro não ir no último andar a noite...

Laura disse...

Adorei o DS de ontem embora, como tenha dito antes, para um pessoal meio "assustado" (vou usar este termo para manter a elegância)eles bem que procuram.
Como estou morando em Petrópolis/RJ à pouco tempo tenho tido a oportunidade de me adaptar aos poucos, mas já passei por situações que pessoas mais sensíveis teriam medo.
Acho importante frisar que eu não sou muito impressionável em relação ao sobrenatural. Em situações de barulhos estranhos e vultos eu temo muito mais o fato de poder ser uma pessoa real, porque acho que minhas chances de me defender diminuem.
Já em relação ao sobrenatural eu me considero preparada...acho...
Petrópolis tem o tal o ruço, que como nosso querido Afonso 3D me explicou é assim que se chama o nevoeiro que aparece do nada e com frequência.
O caso é que o condomínio em que moro se supera. Mais de uma vez eu cheguei em casa um pouco mais cedo e ainda tinha bastante sol logo que entrei e antes de chegar em casa já tinha fechado o nevoeiro. Até minha casa é uma caminhada lenta em subida por um dez minutos antes de um lance de escadas considerável que passa pelo meio de um matagal de ambos os lados formando um túnel de árvores.
Mas um desses dias foi ainda mais sinistro porque tinha muito sol mesmo, o céu ainda estava bem azul. Fui subindo a entrada do condomínio devagar olhando o céu entre as árvores até chegar num plano ao lado do restaurante e antes da quadra de tênis. Acontece que antes de virar para a entrada da quadra de tênis notei que o tempo fechou de repente mesmo. Quando me vi ao lado da quadra o nevoeiro tinha fechado tudo (eu até filmei e acho que te mandei). Fiquei mais curiosa do que assustada na verdade. O "melhor" foi quando eu vi uma sombra refletindo no chão, parecida com uma nuvem disforme. Veja bem, não tinha mais sol. Nessa hora meu coração deu um pulo e os postes acenderam. Parei, respirei fundo, lembrei que ruivos tem corpo fechado (não ousem me contrariar por favor) e os postes apagaram. Criei coragem para enfrentar o túnel de árvores. Quando estava terminando o lance de escadas olhei para cima e adivinha o que vi? O céu. Azul. Através das árvores. Quando entro no meu quarto e abro a janela não consigo ver além das árvores em frente à casa. Deixei a janela aberta. É melhor ver o que está chegando...
Abraços,
Laura
laurahofmann@hotmail.com

Matheus Moledo disse...

Eaí galera, tudo bom?
Eu tenho uma história um tanto cabreira. Eram 4:00AM e eu estava escrevendo bem de boinha no meu quarto, de repente senti um arrepio no ouvido esquerdo e um calafrio que veio do meu ombro esquerdo e percorreu todo o meu corpo (Detalhe, meu ombro esquerdo fica virado pra porta). Depois disso a temperatura no quarto parece ter esfriado e eu comecei a sentir que precisava sair dele o mais rápido o possível! Tentei ignorar mas foi muito tenso... Saí do meu quarto e fui no quarto da minha mãe :3
Sério, foi muito sinistro, só consegui entrar no meu quarto depois de rezar um pouco e só quando amanheceu e.e
Foi isso, abraço!

Infinito disse...

Comecei a ouvir o Desconstruíndo recentemente (deviam fazer mais jabá no NC!). Mas isso salvou minha viagem de Semana Santa, pois agora tenho algo bom para ouvir.

Eu tenho um tio que trabalhava num cemitério, e o colega dele (que pegava na parte da noite) era corcunda. Uma tarde, ele aparece para deixar o emprego e estava sem a famora calombada lombar! Segundo o colega, de madrugada um fantasma horrível surgiu para ele entre as tumbas clamando por seu sangue e sua vida. O corcunda tentou correr, mas foi superado!

Em desespero, ele chorou para a aparição copiosamente. Disse que ele não merecia tanto sofrimento na sua curta vida, sendo pobre e deformado e coisa e tal. A assombração se apiedou e, não só poupou a vida dele, como levou consigo a corcunda.

Meu tio acreditou! Então, marcou para substituir o colega e foi. Passavam-se as horas e começara a se arrepender pelo tédio. Depois, pelo bom-senso de lidar com o sobrenatural... Mas às 3 da manha, ele avistou. A criatura era horrenda, como jamais vira. Mas o senso de malandragem era maior. Ele plantou-se de joelhos diante da coisa e simulou um choro. Falou como era pobre e desvalido da vida. Como nunca teve felicidade ou qualquer alívio. Nunca ninguém havia dado nada para ele de mão beijada.
A Aparição se apiedou de novo. Decidiu dar algo a meu tio... Mas a única coisa que ela tinha, ela conseguiu com o coveiro da noite anterior.

Hoje, meu tio é corcunda.

Ismael Silveira disse...

Ismael Silveira, 22 anos, estudante de Sistemas de Informação, Aracaju-SE.

Fala desconstrutores! Tudo certo?
Putz, muito bom o programa de hoje, meus parabéns! Para amplificar a experiência do cagaço, tive a audácia de escutar o podcast ás 1:30 da manhã e posso lhes assegurar que vocês cumpriram a tarefa de assustar os ouvintes: passei ainda uma hora acordado tentando acalmar meu coração para poder dormir. Não irei me estender muito porque gostaria de contar 2 casos muito interessantes (Caso o comentário fique longo, por favor, considere somente o primeiro).
Pois bem, “Na terceira semana após a mudança de meu amigo Douglas para uma casa próximo à faculdade, ele me contou que teve um sonho muito estranho, onde uma velha apareceu bem próximo à cama dele. Douglas diz que não se recorda de como era a velha, mas de uma coisa ele lembra muito bem: a dita cuja o segurou pelo braço e disse firmemente: “Me ajude! Eu tenho certeza que está aqui! Procure!”. Douglas disse que amigo acordou ofegante e alarmado, mas depois de calmo voltou a dormir. No dia do pagamento do aluguel, ele muito curioso, perguntou ao locatário se já tinha acontecido alguma coisa anormal na casa. O locatário respondeu tranquilamente: “Não não. A dona que morava nessa casa antes era uma senhora muito calma. Ela morreu de infarto enquanto dormia, pobrezinha”. Obviamente, meu amigo gelou na hora. Alguns dias depois, ele sonhou novamente com a velha. Dessa vez ela estava parada na porta do quarto. Olhando fixamente para meu amigo, ela disse apenas uma única frase: “Encontrou?”.
Meu telefone toca de madrugada com um Douglas em choque. Eu fui correndo para a casa dele e, naturalmente, ele estava no estado mais puro estado de cagaço. Reviramos a casa inteira e não encontramos sinal de velha ou de pertence algum esquecido. E aí, o que posso fazer para dar sossego ao meu amigo e a velha? Me ajudem desconstrutores!
O segundo caso não é sobrenatural, mas é muito hilário: Meu pai voltava para o interior de moto depois de ter ido a uma festa. No caminho, começou a cair aquele toró. Ele não querendo sofrer um acidente, se abrigou num cemitério bem humilde, próximo à estrada. O cemitério estava escuro, mas meu pai viu que lá no meio tinha uma capela, onde ele deixou a moto atrás dela e foi para dentro se abrigar. Alguns minutos depois meu pai escuta uma segunda pessoa chegando na capela com a mesma ideia de procurar abrigo. Entrando lá, essa segunda pessoa dá de cara com meu pai e ele prontamente solta num tom animado: “Opa, veio passar a chuva também?”. Não deu outra! O cara soltou um berro de acordar vivos e mortos, saiu correndo cemitério afora, pegou a bicicleta e deu 10 na pata do veado! Até hoje meu pai não sabe quem era a pobre alma...
Toda vez que ouço essa história eu choro de rir. E confesso que jamais teria a coragem de me abrigar em um cemitério no meio da noite.
De antemão, acho que é isso. Parabéns pelo programa e estou no aguardo de mais episódios!

Daniel Figueroa disse...

Mais um podcast sensacional. O tema é muito interessante e desparta emoções, das mais variadas, em todos.

Perto aqui de casa tem um antigo manicômio abandonado. Toda vez que passo por lá de noite me sinto mal e dá para sentir um medo irracional do lugar.

Sobre o caso da Elisa Lam, recomendo o vídeo do Izzy Nobre: https://www.youtube.com/watch?v=s6-u8l5Wf3A.

Jon disse...

Fala galera! Curti demais esse último programa e devo parabenizá-los pelo formato do mesmo e a forma como o tema foi conduzido. Confesso que preferi não ouvir o programa à noite (o que eu provei pra mim mesmo ter sido uma boa ideia, devido aos últimos segundos dele kkk). Mas enfim, espero mais programas nesse formato, pois mesmo com um papo leve vocês mantiveram a identidade do Desconstruindo e informaram bastante sobre esse mundo sobrenatural. Considero esse o melhor programa sobre o tema que eu ouvi, e olha que eu já ouvi muitos.
Enfim, obrigado pelo podcast, e fico na espera de um próximo. E aproveitando o comentário, sugiro à vocês que gravem um programa sobre os Mitos de C'thulhu e a mitologia de Lovecraft (eu sei que o Eduardo já gravou um Nerdcast sobre isso, mas acredito que com o formato do Desconstruindo, haveriam mais coisas a abordar sobre o tema em si), e tendo falado em Lovecraft, agradeço ao Eduardo por me indicar, mesmo que indiretamente, a ótima série True Detective.

Abraço!

Família Veras disse...

Um dos melhores temas pra se discutir em podcast! poucos fazem isso, e quando fazem tem picos de "audiência", tenho certeza que com o Desconstruindo não será diferente! Precisamos mais de podcasts com essa pegada terror. Esse assunto chama atenção de muita gente!

Aislan Skywalker disse...

Belo Horizonte é praticamente uma cidade fantasma! Aqui tem uma história sinistra envolvendo a antiga sede do governo do estado, o Palácio da Liberdade!

Localizado num dos pontos turísticos da cidade, a Praça da Liberdade, existem histórias contadas por diferentes pessoas, de funcionários do governo, passando por guardas do palácio e até ex-governadores.

Dizem que à noite, é possível ouvir portas batendo, correntes arrastando, pessoas chorando e correndo pelo palácio. Os ex-governadores Hélio Garcia, Eduardo Azeredo (que devido a queixa dos filhos pequenos mudou-se do local e foi morar no Palácio das Mangabeiras) e até o ex-presidente Itamar Franco confirmaram as histórias. Dizem que o local já foi senzala. Dizem que uma velha senhora que morou no local era bruxa e amaldiçoou a região. Tem também a versão que o local era um velho casebre e os moradores que foram expulsos para construção do palácio ficaram lá para assombrar. Dois ex-governadores morreram no palácio da liberdade: João Pinheiro (1860-1908) e Raul Soares (1877-1924), o que reforçou ainda mais a lenda. O depoimento do ex-governador Itamar Franco que testemunhou aparições. "As portas fechadas, as janelas fechadas e de repente a porta abria. Isso acontece de vez em quando aqui".

Tem um video no youtube contando mais essa lenda: https://www.youtube.com/watch?v=xirnpq7jhAU

M. Manthay disse...

Quando era jovem, toda virada de ano ou reunião de família que contam aquelas estorias macabras ou até aquelas teorias de fim de mundo, e bem, este podcast me deu calafrios kkkkkkkkkkkkkkkk

Eduardo, nem preciso falar que sou seu fã né?

( @MManthay - Twitter / @mmanthay1 - Instagram )

então este vai ser mais um veiculo que venho lhe atormentar ^^ continue muito bem com o desconstruindo.

M. Manthay disse...

Eu deitado ouvindo o podcast e dou um pulo quando vcs falam da premonição e lembro dos seguinte fato:
Aos cinco anos, eu estava sonhando com a casa da minha vó, e eu andava com ela até o quarto da mesma e ela me aponta uma data ( a data do dia seguinte) e eu acordo. Quando acordo minha mãe ta chorando pois minha avó tinha morrido a +/- uma hora.
Aos sete anos, sonho com meu corpo se afogando, e um dia depois meu pai me deixa quase morrer afogado na praia.
Aconteceu algumas outras coisas do mesmo princípio.

Eduardo Felipe disse...

Poxa, foi brabo, ouvi o podcast na academia e voltei pra casa agora a noite! Hehehehe!

Estou gostando muito dos programas, espero ser escolhido para fazer uma participação em um próximo!

Meu e-mail é eduardofelipe@gmail.com

Abraço!

Iago Sampaio disse...

Olá Thiago e Eduardo,

Eu sou o Iago Sampaio, 19 anos, estudante de História, Belém-PA. Ao ouvir o Desconstruindo de causos sobrenaturais, além de ter ficado com um cagaço foda com as histórias contadas, senti muita vontade de compartilhar pelo menos uma das muitas histórias que eu tenho. Inclusive, algumas dessas histórias estão adaptadas em um livro de ficção que eu tô escrevendo...
Certo dia, ainda no tempo de escola, eu estava voltando de ônibus pra casa depois de um longo dia. Era final de expediente e o ônibus estava lotado, havia vários tipos de pessoas, velhos bêbados, casais e até possíveis assaltantes, mas no geral, as pessoas estavam com semblante cansado. Após algum tempo, eu olhei de relance para o meu reflexo na janela do ônibus e tive a impressão de ver a minha expressão facial muito diferente da que eu achava que estava. Prestei mais atenção e vi que no reflexo, eu estava com uma expressão maligna, um olhar diabólico e nada irônico. Eu sabia que não era possível eu estar com aquela expressão facial, eu sabia que eu não tava com aquele olhar malígno, mas com a crescente angustia, eu resolvi descer do ônibus e me abrigar na casa de uma tia que era próxima da onde eu estava. Chegando lá, meu primo ainda era bebê e ele me adorava, nós brincávamos e sempre que ele me via, ele abria um largo sorriso e pedia pra ser carregado. Nesse dia, porém, ao me ver, ele começou a chorar desesperadamente, como nunca havíamos visto ele chorar até então. Se eu tentava chegar perto, ele fazia menção de querer ir pra longe de mim. Não aguentando aquela situação também, eu saí da casa da minha tia e resolvi completar o caminho pra casa andando.
Enquanto Caminhava, a sensação de sufoco e angústia só crescia, e sem perceber, a rua ficou deserta. Foi então que dois homens numa moto passaram por mim e invadiram a calçada me assaltando. O tempo todo me ameaçando e eu conseguindo apenas resmungar algo, pedindo para eles irem embora. A sensação de sufoco ia aumentando e chegou numa hora em que eu não aguentei e simplesmente avancei pra cima deles, e com uma força descomunal e desconhecida pra mim até então, eu empurrei eles e a moto pra longe, algo quase impossível para alguém do meu tamanho. Saí correndo de lá no mesmo momento, e com uma velocidade também incomum. Era como se eu não tivesse controle do meu corpo, apenas pudesse ver através dos meus olhos.
Ao chegar em casa, tive diarreia e vômito ao mesmo tempo, era como se eu tivesse expelindo algo, só depois de todo esse sufoco, a angustia passou.

Eu tenho outras histórias e causos sobrenaturais também. Se eu tiver tempo até o próximo Desconstruindo, eu volto aqui para contá-las.
Abraço!

Ps1: Estou na espera pra um Desconstruindo sobre Cavaleiros do Zodíaco e Sandman.
Ps2: A construção do meu livro ainda está na metade, mas eu quero agradecer ao Eduardo, pois se não fosse pelos nerdcasts de Profissão: Autores e o de Autores de Fantasia, eu não teria nem começado a escrever.
Ps3: Parabéns pelo ótimo programa
.

Thamires Prado disse...

Caramba gente, muito bacana. Adorei o Podcast... realmente um tema interessante e até mesmo polêmico. Lembro-me quando criança, também já visualizei um "shadow people" (não sabia que tinham esse nome e nem que tinham tantos relatos de pessoas que já presenciaram essa cena assustadora como vim descobrindo rs)Tenho várias historias de coisas sem explicações lógicas e isso me assuta um pouco... credo haha. Beijos galera :*

Unknown disse...

A história do cara que enterrou a cachorra e depois ela apareceu no quintal toda suja me lembra a história do Cemitério Maldito do Stephen King.

Alex Avilez disse...

Grandes desconstrutores! Tudo certo com vocês? Sou lá do podcast Papo no Elevador e já tivemos a honra de gravar com o Eduardo e com o Rex, com quem fizemos dois papos insanos e hilários!

Ontem passei vergonha por causa de vocês! Estava na barca (lotada) voltando pra casa e quando o Andrés disse que tem medo do "Exu sem luz", dei uma gargalhada TÃO alta que me deu vontade de vir nadando pra Niterói! Puta constrangimento!

Como tenho duas gatinhas em casa sempre passo uns perrengues com elas. Sempre ouvi dizer que o animal tem uma "sensibilidade" maior e que é comum eles verem espíritos, e vira e mexe elas param do nada e ficam encarando o mesmo canto da minha sala. Sempre fico muito cabreiro, afinal de contas né? Vai que tem um Exu sem luz ali também?!

Mais uma vez parabéns a todos.

Dom-ken disse...

Primeiro de tudo muito obrigado, agora eu sei o nome das coisas que envolveram minha maior e mais sinistra experiência sobrenatural. Mesmo tentando resumir acabou ficando grande demais para um comentário apenas, então vou dividir em dois.

Na época eu morava em Florianópolis e dois amigos me convidaram para uma rave privada num hotel fazendo, acho que pode-se chamar assim, na cidade visinha de São José. Seriam dois dias e duas noites de festa e oficinas, mais eu so ficaria uma noite e parte de um dia tinha alguma compromisso na segunda cedo que não poderia faltar ou me atrasar.

Logo no começo, eu que não sou de beber, acabei abusando um pouco do álcool o que me causou fortes dores estomacais. Importante resaltar que foi apenas isso que senti, nada de tonteira, de sentir o corpo anestesiado apenas um incomodo forte no estomago como se tivesse comido algo estragado. Como era inicio da noite e o som iria começar meus amigos me deixaram no quarto me refazendo e foram curti a musica.

Nessa que fico no quarto escuto dentro da minha cabeça uma voz. Primeiro acho que é loucura e ignoro mais ela continua e de palhaçada eu começo a responder mentalmente e ela me respondia de volta. Resumindo a conversa ele me disse que tinha morrido no pequeno laginho e que era para todos nos irmos embora pois “eles” não ficariam felizes com o que estávamos fazendo. Depois dessa conversa e de encher o saco do fantasma me mandar embora do hotel e a dor do estomago já tinha praticamente passado e resolvi sair do quarto. Detalhe quando eu fechava os olhos via o vouto branco desse fantasma ao meu lado, .

Saindo do quarto resolvi passar na recepção e como quem não quer nada perguntar se já tinha acontecido algum acidade por aqui. Me confirmaram que uma vez um cara morreu eletrocutado no laguinho, que por sinal é bem pequeno mais tem postes e fios elétrico passando pelas suas margens. Nisso eu: “Ok! Não foi efeito da bebida. Vamos para festa que no quarto a companhia e incomoda”.

Chegando no som que se localizava do outro lado do laguinho. Curti um pouco da musica e sem beber mais nada com um tempo voltei a me sentir mal do estomago e fui para o parquinho que se localizava entre o local do som e um bosque de arvores finas e próximas mas com espaço para uma pessoa passar entre elas tranquilamente. Lá tinha um “castelinho”, aquelas construções com rede para subir, escorregador e o cano de escorregar de bombeiro, uma fogueira, feito pelo pessoal da festa principalmente pq era inverno, e próximo a fogueira um balanço.
(continua...)

Dom-ken disse...

(Continuação...)

Sentei no balanço para ficar olhando a fogueira e de repente o brilho do mundo foi reduzido ao mínimo possível, sim igual ao que acontece quando você faz isso no monitor ou televisão, e a minha esquerda que tinha um caminho curtinho repentinamente não era mais curto e perdia-se no horizonte e dele veio dois vultos, hoje sei que eram Shadow People, e apenas uma delas me falava, como no fantasma diretamente na minha mente. Falou que outros precisavam de ajuda eu deveria ajudar, na inocência eu disse que aceitaria ajudar.

Assim eles sumiram e o brilho do mundo voltou ao normal, senti uma vontade absurda de ir reto ate o “castelinho” ao encosta no escorrega de bombeiro senti como uma eletricidade estática vindo do objeto para minha mão, lembro que a sensação era praticamente a mesma de brinca de eriça os pelos do braço nas TV de tubo so que dessa vez sentia na palma da mão. Minha atenção voltou-se na direção do bosque, mais precisamente a uma arvore pequena e isolada a uns dois ou três metros do inicio do bosque. Ao encosta na arvore novamente a eletricidade estática percorrendo minha mão mais seguindo por todo meu braço e alem, hoje não lembro até onde ela foi.

Nisso vejo dezenas de Shadow People vindo do fundo do bosque, como se sempre estivessem lá escondidos atrás das arvores. Novamente falam que precisam que eu os ajude que eu precisaria acompanhar eles bosque a dentro. Quando me neguei a entrar no bosque e tentei retirar minha mão da arvore senti que me faltava força, como se a arvorar fosse grande ima e minha mão fosse outro e os dois estivessem em polos diferentes e assim se atraindo. E novamente eles falaram, sempre na minha mente, para eu não me preocupar pois enviariam um guia para mim e nisso sai um volto laranja, sim laranja. Uma espécie de pequeno cachorro ou raposa e ao contrario dos outros esse sair do bosque e ficha uma passo fora dele ainda sim a uns dois ou três metros de mim.

Eu fui firme e falei, nada de acompanhar, ajudo com orações ou emanação energética, não tenho a menor ideia de como fazer isso mais estava disposto a apreender, e usando toda a minha força “mental/espiritual” arranquei minha mão da arvore e todos sumiram no mesmo instante.

Não voltei a ter contato com eles ou com o fantasma, mais essa foi uma de algumas historias que eu tenho. Essa ainda aconteceu a uns 4-5 anos esse ano aconteceu outra semelhante no meu quarto com aparição novamente de um do Povo sombra, de chapéu, como vi varias imagens na internet e de um outro espírito muito bem visível e claro e a distancia da minha mão. Mais deixa para lá acho que esse comentário está grande de mais.

Domingos Júnior, 28 anos, formado em publicidade especializado em Mkt sem emprego e futuro acadêmico de Antropologia da UFOPA Santarém – PA

Andarilho disse...

O Desconstruindo está ficando cada vez melhor. Adorei esse episódio, ri muito e me arrepiei tb.

Não sei se vcs já viram, mas esse curta aqui é de dar muito cagaço tb:

https://vimeo.com/82920243

João Paulo Piron disse...

Muito bom, a cada Desconstruindo que passa os temas ficam melhores, continuem seguindo essa linha, e por favor mais casts de RPG! Parabéns a todos os envolvidos! Confesso que com esse cast passei um cagaço na hora de dormir.

Vocês mencionaram histórias envolvendo quartéis, exército e tudo mais, e me lembrei de alguns causos similares. Moro em Salto interior de São Paulo e na cidade vizinha (Itu) existe um quartel, e todos o jovens da região servem nesse quartel. Acontece que esse lugar é tido meio que mal-assombrado, antes de se tornar quartel esse lugar era um colégio fundado por jesuítas, e embaixo do local foi criado um túnel que ligava o colégio a um convento da cidade, por razões que eu desconheço. Dizem que os padres ali residentes iam a noite até esse convento e faziam sexo com as freiras, e muitas delas acabavam engravidando, e a única solução era o aborto, que provavelmente era feito ali no colégio, então nesse momento acredito que as energias ruins já começaram a fluir, o tempo passou e até hoje o lugar é meio sobrenatural, relatos de gritos e choros de bebês, portas e janelas batendo, e houve até um caso de suicídio, um soldado se matou em umas das guaritas, pensem em um lugar macabro! Meu amigo que serviu disse que até chamaram uma sensitiva para tentar apaziguar as forças que habitam lá, mas ela não conseguiu nem passar o portão de entrada. Até meu vô que serviu na década de 40 conta histórias de cavalos fantasmas e outras coisas mirabolantes que apareciam por lá.

MEDÃO, ainda bem que não servi!:) É isso pessoal, forte abraço!

R. Baldo disse...

Oi pessoal,

Resolvi voltar ao site depois do primeiro Desconstruindo (sim, muitos anos depois) e estou na maratona para ouvir tudo.

Continuem a frequencia e estou à disposição para o que precisarem, pois postava e editava uma parte para o falecido CastZone. Não parem de gravar e publicar.

Queria só deixar os parabéns e fazer uma sugestão: após o cast de Dragonlance (que me fez comprar a Annotated Chronicles), fiquei muito curioso para saber as recomendações de livros do gênero, principalmente quais do R.A. Salvaltore valem a pena ler.

É isso, pessoal, um abraço e vida longa ;-)

foi bolo doido foi disse...

Eu, peidão como sou, deixarei pra escutar amanhã de manhã.

Gabriel disse...

Bem, sou espirita, e para vários temas abordados no cast acredito em respostas que o espiritismo pode fornecer.

Inclusive acho que com o avanço da Ciência é questão de tempo até ser provado a existência de outros planos vibratórios além do nosso.

Quanto ao processo de "teleporte" ou materialização da pessoa em outro lugar, existe um nome no espiritismo para esse fenômeno, mas agora não me recordo com exatidão qual é, chutaria desdobramento, mas acho que existe outro termo.

Apenas médiuns num grau de elevação altissimo poderiam fazer tal feito. Um dos brasileiros que foram capazes disso foi Euripeds Barsanulfo.

Recomendo uma pesquisa sobre a vida do cara, que sem dúvidas é um grande exemplo de bondade.

A quem se interessar:

http://www.youtube.com/watch?v=RrlkMDQaGxQ

Vincent Angelo di Hunter disse...

Primeiramente, ótimo cast Sr Spohr e Sr Cabello. Já tinha escutado os DS Nova York, e seguidamente, decidi escutar os outros. Isso já faz um tempo, mas tomei coragem agora para comentar. Esses assuntos sobrenaturais, junto desses acontecimentos sinistros, são uma boa formula para deixar o espectador atento e vidrado. Acredito que já deve ter acontecido com qualquer pessoa algum causo macabro.
É interessante pensar nessa parte da projeção astral, "sair" do seu corpo e projetar-se no astral, sendo capaz de flutuar e ir para onde quiser. Sou alguém que tem medo de tentar realizar esse tipo de atividade, pois imagino que, estando "fora" de meu corpo, este estaria livre, para ser possuído por alguma entidade maligna. Mesmo assim, como um amigo já me dissera, existem orações, e evocações de guardiões, para que o individuo esteja protegido no astral. Penso muito se realmente isso seria verdade, mas existem tantos crentes na gnose que, não acho que seja loucura. Mas vocês tentariam senhores? - Gargalhada maligna.
Forte abraço, e continuem com esse ótimo trabalho.

Meu nome é Gabriel Bernardes.
Imail: GabrielDhonyDragon@hotmail.com

Rafael Gobi disse...

Rafael Gobi, 15 anos, estudante, Novo Horizonte - SP

Bom primeiramente gostaria de parabenizar vocês e dizer que o podcast apesar de ter poucos episódios já é um dos meus preferidos. E que os episódios de RPG não servem só pra nostalgia, mas também me despertaram uma imensa curiosidade nos outros cenários(só conhecia Dragonlance e Forgotten).
E sobre o podcast N°9 eu tenho um causo, pode parecer bobo e tal, mas eu tenho 15 anos, acredito que seja a idade onde o cagaço atinge o seu máximo. Enfim, eu desobedeci os conselhos do Eduardo e fui ouvir o podcast 02:00AM, eu estava ouvindo todo já me cagando quando na parte que o Thiago diz que sua namorada era médium o player para do nada, algo que nunca tinha acontecido, na hora eu vi o celular pra ver se tinha acabado a bateria mas não, tudo que vi foi a foto das duas Shadow people e o player pausado. Na hora eu troquei o podcast pra um do MRG e tentei esquecer, euhaeuaehe.
Sei que parece bobo, e é, mas enfim, ótimo podcast.

Douglas disse...

Otimo Cast Eduardo parabéns .
Conheci o blog ha uma semana e ja escutei todos os cast !!!!

Hallan disse...

Ola galera do Desconstruindo,
Sou o Hallan Pégrande De Curitiba Paraná - Primeiro podcast que ouço do blog e achei incrível, realmente parabéns! então relatando meu caso, eu sofro desde os 12 anos de paralisia do sono, hoje com 20 anos já estou habituado a ser "acordado" durante a madrugada com um forte peso no peito ou até mesmo com a figura que foi descrita pelo Rex de face e corpo negro. A paralisia no meu caso não me deixa gritar e nem me mexer como se realmente tivesse algo pesando meu corpo, é realmente uma sensação tremendamente horrível ter o terror exposto por alguns minutos na sua frente e você sem ter reação quanto ao fato. vale a pena num próximo cast comentar sobre o assunto. abraços e que a massa x aceleração estejam com vcs.

Fernando da Luz Schmidt disse...

Esse caso da Elisa Lam é a coisa mais assustadora que já tive notícia na vida. É incrível o número de desdobramentos do caso. O caso em si, o histórico macabro do Cecil Hotel, o surto de tuberculose pós caso e o nome do exame para tuberculose ser LAM-ELISA. É muita coincidência junto! Incrível. Vale a pena pesquisar sobre o caso e sobre o hotel.

Neste link tem coisas interessantes: http://www.verdademundial.org/2014/01/o-misterio-de-elisa-lam.html

ivson disse...

salve desconstrutores ótimo podcast
sou Andre do RJ e tenho varias historias envolvendo o sobrenatural
mais vou contar uma breve que aconteceu por causa de vcs, nesse cast vc abordam um assunto que eu sempre fui interessado que é projeção astral nunca acreditei mais depois dos relatos tomei coragem e fui tentar , (pensei num vai dar nada eles fizeram e estão vivos ) bem o resultado foi vultos negros e coisas que voam da cozinha pro meu quarto e colidem com a parede , não sou tão medroso quanto alguns participantes do cast mais confesso que estou com um pouco de medo , OBS : adoraria assistir filmes de terror /horror com essa galera sao as melhores companhia pra esses programa

The Joker disse...

Muito bom o Podcast. Eduardo, você falou da história de quando você quase serviu nas forças armadas. Pois bem, meu pai me contou uma história que ele ouviu de amigos dele. Há uma base da marinha ou um hospital da marinha que foi construído em cima de um local onde houve uma grande tragédia. Não sei se foi a tragédia do Gran Circus Norte Americano, onde centenas de crianças morreram queimadas, ou em um incidente envolvendo uma rebelião onde vários presos morreram queimados. Só sei que os guardas que ficam de serviço na guarita dessa instalação ouvem gritos, choro e pedidos de socorro de madrugada. Então muitos levam baldes de gelo, que seria uma forma de aliviar a dor dos queimados que morreram ali e para evitar ouvir os lamentos das vítimas que supostamente sofrem até hoje no local.
Grande abraço a vocês, continuem assim.

Unknown disse...

Qual o nome da musica que vcs colocram de fundo bem no final do cast ?

Humberto Tramujas disse...

Tinha 7 anos, estava com meu pai brincando de esconde-esconde na casa de minha vo, esta que morava em um sobrado de 3 andares. No meio da brincadeira quando descia as escadas a procura de meu pai, o vi atravez de um espelho no meio da escada. Subi os degraus aos pulos para enfim encontralo e ganhar a brincadeira. Mas quando finalmente cheguei aonde ele havia entrado senti um frio na espinha. Nao havia ninguem no quarto, nao consegui sair dali, fiquei congelado ohando pro quarto vazio. Apos alguns minutos meu pai chegou e me perguntou o motivo de eu ter desistido de procuralo, nao respondi. Ainda nao sei se minha mente me enganou ou realmente vivenciei algo sobrenatural

Nah Lameu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nah Lameu disse...

Olá!

Demorei mas vim comentar, acho que esse Desconstruindo um dos melhores já feitos, mas até então sou suspeita porque o tema é algo que adoro. Mas ficou muito legal mesmo.

Ouvindo as histórias contadas lembrei de alguns casos que chegaram a passar na TV sobre os túneis construídos embaixo do Teatro Municipal aqui de São Paulo, eles ligam o teatro à Praça Ramos de Azevedo por baixo da Rua Coronel Xavier de Toledo, eles antigamente serviam para ajudar divas e galãs a escapar de tietes, mas originalmente foram criados para ventilar a sala de concertos com ar natural, só que agora são fechados com grades e abrigam dutos de ar-condicionado.

Inicialmente eram apenas 2 tuneis, porém existe uma terceira passagem que ligava ao antigo Hotel Esplanada, onde atualmente funciona a sede da Votorantim, só que nem mesmo os arquitetos que trabalharam no restauro do prédio sabem onde essa passagem começa, a unica entrada que resta fica no subsolo da Votorantim. A arquiteta Rafaela Bernardes, que trabalhou na restauração declarou que "Não estava previsto no projeto original do teatro. Sabemos que existiu porque há passagem do outro lado, mas não achamos resquícios da ligação com o teatro".

Mas indo para o lado mais sombrio, há décadas histórias de fantasmas são repassadas, principalmente no Salão dos Arcos que dá acesso as passagens, tem um boato que diz que a alma de uma criança, uma menina, cruza os túneis e circula pelos subterrâneos e assusta muito machão desavisado. Alguns funcionários, quando precisam descer para as passagens preferem ir acompanhados.

Novamente queria elogiar a qualidade do podcast que tem melhorado a cada programa, com toda certeza vou continuar acompanhando o blog e sempre que possível enchendo vocês com algum comentário... kkk

See ya

Julio Brancão disse...

http://www.abovetopsecret.com/forum/thread798704/pg1

Aew galera..deem uma olhada nos vieos...são bem cabulosos..mesmo se forem montagem viu...rs
Abrç..

REX disse...

Parabéns, pessoal!
Este foi o melhor podcast do Filosofia até hoje!
Merece uma segunda parte.
Abraços!
Alvaro

Natanael disse...

mto bom esse podcast!!! Lembrei d algumas histórias bem estranhas q mha vó contava qdo eu era criança!! Morávamos em um sítio longe de tudo e todos, a única coisa q tinha perto da nossa casa era o cemitério da região então já podem imaginar as coisas q mha vó contava!!! Ótimo trabalho de vocês, parabéns!!

Giovani Arieira disse...

Fala galera! Aqui quem fala é Giovani Arieira, 29 anos, Engenheiro Agrônomo fazendo doutorado em Wageningen, na Holanda há duas semanas.

Já acompanho o Spohr há um tempo (inclusive levei meu arsenal de livros para serem autografados na última sessão em Londrina, no ano passado) e também ouvi muito o papo na estante, com o Thiago.

Primeiramente, sobre o cast no geral, parabéns pelo trabalho. Está muito legal, tenho ouvido todos os episódios e tive que deixar um comentário sobre o último. Sou o maior cagão (tenho medo de fantasmas, ETs, demônios, serial killers, tudo), mas sempre fui vidrado pelo terror. Gosto da sensação que o medo passa. É uma forma de me sentir vivo. Acho que é a mesma coisa que acontece com quem pula de bungee jump. Então, fico com medo, mas sempre assisto filmes de terror, leio histórias de terror e adorava as histórias que a minha avó contava.

Bem, falar da minha avó é um capítulo à parte. Mais ainda, falar da casa dela. Ela mora no interior do RJ, quase em MG. A casa dela é numa fazenda e é daquele tipo bem característico das fazendas de café da região, com assoalho de madeira (sempre com umas tábuas meio soltas), pé direito de uns 7 metros, portas de madeira que rangem o tempo todo. Para completar tem um daqueles relógios de parede antigos de corda e vários morcegos que moram forro da casa. A casa foi comprada pelo meu avó assim que eles casaram e um padre foi morto em um dos quartos. Bem, para completar, minha avó e várias outras pessoas já tiveram experiências "sobrenaturais" na casa. Mas nunca no tal quarto em que o padre morreu.

Uma vez eu gravei com alguns amigos, de brincadeira, um audio contando algumas histórias. Nesse audio eu contei algumas das histórias da minha avó. Está no meu blog. Se quiserem dar uma conferida: http://filosofianerd.blogspot.nl/2014/04/desconstruindo-9-causos-sobrenaturais.html

Quanto a mim, já tive três experiências. A mais recente foi no ano passado, em Marília - SP. Estava com um grupo de amigos em um sítio. Altas horas da noite (lá pelas 23h) eu deixei o pessoal lá fora fazendo churrasco e fui tomar banho. Enquanto eu estava no banho, senti uma presença nas minhas costas. Me virei mas não tinha nada, mas eu continuei arrepiado, com aquele frio na coluna e sentia que havia alguém (ou algo) ali. Saindo do banheiro, segui pelo corredor para o meu quarto e ao passar em frente à sala eu vi uma mulher sentada, no escuro, com a TV desligada. Ela estava bem na minha frente, sentada de lado. No susto eu dei um passo atrás, parei por uns segundos e segui novamente. Não havia mais nada ali. Entrei na sala e nada. Percorri toda a casa e não havia ninguém. Voltei para a área de fora da casa, mas nenhum dos meus amigos ou das namoradas tinham ido na casa desde que eu havia ido tomar banho. Preferi não comentar com ninguém até a hora de irmos embora.

BEm, desculpem pelo comentário gigante. Parabéns pelo trabalho e sucesso cada vez mais.

Giovani Arieira disse...

Eu novamente. Deixei o link errado rsrs. O link do meu blog com o audio de algumas histórias é o http://oarieira.blogspot.com.br/2013/10/audio-com-historias-de-terror.html

Abraço, pessoal!

Djonathan disse...

Por favor façam mais podcasts com esse assunto, adoro o tema!
Muito bom :)

enfim... disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
enfim... disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
enfim... disse...

Olá queridos desconstrutores, mais um excelente cast de vcs, meus parabéns!! Mas nem tudo são flores, e se me permitirem, eu gostaria de fazer uma crítica construtiva ao programa.

Na minha visão, está claro q o programa já é um sucesso (visto o número de comentários), e todos nós sabemos que vcs tem os seus afazeres e tal, mas acho q não custa nada definir uma periodicidade do cast, não me entendam mal, não estou pedindo que vcs aumentem o número de programas (mas tb não acharia ruim se isso acontecesse hehehe), estou pedindo apenas que a periodicidade seja definida, para nós, os ouvintes, não ficarmos com aquela sensação de "espera por algo q não temos a menor idéia de qdo vai chegar". Não sei se me fiz entender, mais de qq forma continuam com o excelente trabalho.

Obrigado.

Rafael Mendes

Douglete disse...

Douglas 14 anos, estudante, São Paulo - capital

Olá desconstrutores, tudo bom? Espero que não estejam passando por essas situações de cagaço, enfim sou um garoto curioso e gosto de pesquisar sobre mistérios, por exemplo ufologia,fantasmas e lendas urbanas (sim! durmo mal sempre!).
Estava eu na casa do meu pai, ele me tinha levado pra jantar com minha madrasta, meus irmãos não foram comigo nesse fim de semana! Chegamos meia noite em ponto em casa (moro em casa mesmo, grande e com quintal), meu pai estava tomando uma cervejinha e conversando com minha madrasta, estava tranquilo e nunca tinha tido nenhuma experiência paranormal.btw:fiquei intrigado com o primeiro relato do rex, com seu vizinho.
Fui pegar meu gato que estava no quintal gosto do bichano e ele dorme comigo as vezes, fui levá-lo para meu quarto, dirigi-me ao quintal calmamente e vi meu gato se alimentando, quando me viu, correu para parte de trás do quintal,fui atrás dele e acendi a luz pois estava um breu ali, após acender, abaixei-me para pegar o gato e BOOM na minha visão periférica do lado direito vi uma figura preta,exatamente como o rex, não tinha definição certa e era totalmente preto, me lembrou um homem sentado, com o susto desliguei as luzes e voltei com meu gato rapidamente para a cozinha onde tinha meu pai e madrasta, com o coração disparado disse pra o meu pai que tinha visto alguém, minha madrasta que sempre vê essas coisas e também se assustou, disse que o lugar era "pesado",ela alega ter escutado grunhidos e choros baixinho , por fim meu pai foi atrás da cozinha, acendeu as luzes e nada...
Dormi cágado com a luz acessa, abajur ligado, nerdcast alto e pc ligado no desktop
Sempre fui setico e nunca tive religião (não tenho) porém minha mãe me aconselhou rezar o pai nosso e encaminhar o espírito...
Até mais! ouvintes postem suas experiências!

Vítor (Cid Moreira) disse...

Embora eu seja bastante cético em relação ao sobrenatural, resolvi escutar esse episódio à noite pra entrar no clima e vou confessar que deu um pouquinho de cagaço depois que tinha terminado de escutar, ahah. Muito bacana o podcast. Continuem com o bom trabalho.

Danil BR disse...

Concordo com o Rafael Mendes, deveria haver uma regularidade de publicação. Um novo episódio todo mês, ou a cada dois meses, seria bem melhor de acompanhar.

E, mesmo sendo repetitivo, parabéns pelo ótimo episódio, adorei!

Bushido disse...

Excelente cast. Principalmente quando no final colocaram como musica de fundo o tema de Silent Hill 2. Agora, queria saber de quem foi que deu o grito, pq eu de madrugada dei moh grito, que minha mãe e eu não conseguimos mais dormir.

gsilvale disse...

Bom, tô começando a ouvir o podcast e não sei se vou ouvir tudo, então vou publicar logo esse comentário. Eu tinha visto que cês tinham publicado esse podcast um tempo atrás mas fiquei meio que com uma indecisão se ouviria ou não e nesse período acabei ouvindo o NerdCast sobre fenômenos sobre-naturais e como esse nc é antigo, não quis mandar e-mail pros caras. Mas vou deixar esse comentário aqui contando um causo que aconteceu comigo. Eu, quando era mais novo, sempre ia pra casa do meu melhor amigo pra ficar batendo papo e etc.. Eu devia ter uns 12 anos. Então em uma visita dessas eu, esse amigo e outro colega subimos até o ultimo andar do prédio, lá era meio bagunçado, mais pra um depósito mesmo e a gente viu uns telefones e aparelhos eletrônicos amontoados e m um carrinho de supermercado e outros no chão. Eu peguei um telefone do chão e disquei "666" (não me pergunte porque, acho que eu era muito novo e tava fazendo bobagem) e aproximei do ouvido do meu amigo e disse "Olha!" e, como eu achava não ia acontecer nada, eu ia falar em seguida "Não tem nada" e rir. Mas quando eu encostei o telefone no ouvido dele a gente ouviu um grito, daqueles de pessoa caindo de prédios, aí surgiu a involuntária força do cagaço e imediatamente foi todo mundo pro elevador e desceu pro térreo de novo, haha. Depois eu até pensei que poderia ser um cachorro latindo, mas o "grito" foi muito longo pra um latido. Enfim, fica ai a história! Agora vou ver se consigo ouvir o cast inteiro, haha. Abração.

Marcelo Eiras disse...

Fala pessoALL!

Faltou falar dos lugares mal assombrados do Rio, onde existem até tour fantasmas pela cidade. Vejam os links abaixo:

http://noticias.r7.com/rio-de-janeiro/fotos/fantasmas-assombram-construcoes-historicas-do-rio-conheca-o-tour-20991122.html

http://vejario.abril.com.br/especial/lugares-mal-assombrados-645063.shtml

http://vejario.abril.com.br/especial/lugares-mal-assombrados-645063.shtml

abraços

Marcelo

Marcelo Eiras disse...

Só uma correção, Antoine de Saint-Exupéry, autor do pequeno príncipe morreu na segunda guerra mundial, em combate, pilotando um P-38 Lighting mais especificamente no dia 31 de julho de 1944.

Ele decolou de uma base aérea na Córsega e não retornou. Uma mulher relatou ter visto um acidente de avião em torno de meio-dia de 1 de agosto perto da Baía de Carqueiranne, Toulon. Um corpo não identificável ​​usando cores francesas foi encontrado vários dias depois a leste do arquipélago Frioul ao sul de Marselha e enterrado em Carqueiranne em setembro.

O alemão Horst Rippert assumiu ser o autor dos tiros responsáveis pela queda do avião e disse ter lamentado a morte de Saint-Exupéry.

Beatriz Lima. disse...

Salve Desconstrutores!

Esse cast foi demais! Sou uma quase viciada em podcast, mas por causa da rotina puxada, só tive tempo para colocar os casts em dia enquanto estava viajando, detalhe, ouvi esse cast enquanto subia a serra para chegar em São Lourenço.

Sobre causos sobrenaturais, já passei por situações bizarras, desde sonhar com algo até casos de possessão, que é a história que vou contar.

Quando eu era criança, meu padrasto era pastor de uma igreja bem pequena no interior do Paraná, igreja essa que se localizava na beira da estrada onde era a saída da cidade.
Um belo domingo, estava rolando um culto de festa por causa das irmãzinhas lá da igreja, e entrou uma garota loira, de aparentemente uns 13/14 anos, bem magra, não deveria ter mais 45/50kg. Ela sentou-se no fundo da igreja.
Quando o culto acabou e as pessoas estavam a se despedir, aquela garota ficou possuída e começou uma série de galhofas dentro da igreja.
Ela batia nos irmãos com uma força sobrenatural, dava várias cambalhotas, mortais, golpes de luta dificílimos de se realizar. Por causa disso, um grupo de 5 homens (obreiros da igreja) foram atrás dela para segura-lá e por fim expulsar o demônio. Ninguém conseguia pegar a garota.
A correria foi para fora da igreja, até a esquina mais próxima, onde um homem que estava com medo até a alma, segurava a bíblia em frente ao rosto enquanto molhava suas calças...
O fim da história eu não sei, porque como eu era criança na época, minha mãe não deixou que eu acompanhasse toda a confusão, mas eu acredito que tenha terminado tudo bem....(ou não...?)

Rama disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rama disse...

Olá, curti muito o podcast e acho que vale a pena mais um podcast sobre o assunto. Eu sempre vivi rodeado por histórias sobrenaturais na minha família. Apesar de nunca ter visto ou ouvido nada, eu adoro o assunto. Parabéns pelo podcast.